• BIBLIOTECA GB

O AMULETO DE RUBI

MEU NOME É NICOLE E ESTA HISTÓRIA QUE VOU CONTAR PODE PARECER ESTRANHA, MAS É PURA VERDADE... ACONTECEU NUMA CIDADE MUITO GRANDE, ONDE VIVEM MUITAS PESSOAS... ALGUMAS DELAS DIFERENTES DO NORMAL. MAS JÁ VOU AVISANDO QUE NO FINAL DESSA HISTÓRIA VOCÊ VAI ATÉ SE PERGUNTAR O QUE É NORMAL.

TRÊS ANOS ATRÁS, NUM DIA QUALQUER COMO TODOS OS OUTROS, EU ESTAVA TOMANDO CAFÉ DA MANHÃ QUANDO ACHEI UMA CARTA DE MINHA AVÓ EM CIMA DO MICROONDAS. A CARTA DIZIA ASSIM:

LENDO ISSO EU FIQUEI PENSATIVA. POR QUE MINHA AVÓ DARIA UM CARRO PARA MEU PRIMO, UMA CASA PARA MINHA IRMÃ E PARA MIM SÓ UM COLAR BOBO? MAS ERA DISSO QUE EU NÃO SABIA.

APÓS DOIS ANOS DA PARTIDA DE MINHA AVÓ, NUMA NOITE COMUM DE UMA TERÇA-FEIRA, ALGO MUITO ESTRANHO ACONTECEU. EU ACORDEI NO MEIO DA NOITE E VI UMA LUZ AZUL RADIANTE VINDO DE BAIXO DE MINHA CAMA, EU FUI PROCURAR, E NISSO FUI SUGADA PARA DENTRO DAQUELA LUZ. DEPOIS DE PELO MENOS DOIS MINUTOS DENTRO DE UM VÁCUO COLORIDO, CAÍ EM UMA FLORESTA NA QUAL AS FLORES DAS ÁRVORES ERAM BRANCAS E AS FOLHAS ERAM EM FORMATO DE CORAÇÃO COM CORES VARIADAS. EU NÃO FAZIA IDEIA DE ONDE ESTAVA.


A TEMPERATURA HAVIA AUMENTADO E EU ESTAVA SUANDO. DEPOIS DE PROCURAR AJUDA, SENTEI NUMA PEDRA QUE ESTAVA EMBAIXO DE UMA ÁRVORE E ACABEI DORMINDO. LOGO QUATRO GLUMPS ME ACORDARAM E NOTARAM EM MIM UMA SEMELHANÇA COM A SÁBIA ELFA, QUE ERA A RAINHA DAQUELE MUNDO.

ELES ME LEVARAM ATÉ ESSA ELFA E PERGUNTARAM O QUE DEVERIAM FAZER COMIGO, NESSE MESMO INSTANTE A ELFA PEDIU QUE ELES SE RETIRASSEM E FALOU QUE GOSTARIA DE TER UMA CONVERSA PARTICULAR COMIGO.

CABELO CURTO E BRANCO, COM UM COQUE DE CANETA, ORELHAS LEVEMENTE PONTUDAS, USAVA UMA SAIA CINZA E UMA BLUSA AMARELA, UM POUCO MODERNA, APESAR DE SER RAINHA. NÃO ME RESTOU DÚVIDA: ERA A MINHA AVÓ.

- VÓ, É VOCÊ?

- MINHA QUERIDA, EU SEI QUE VOCÊ FICOU TRISTE DE GANHAR ESSE AMULETO, MAS SAIBA QUE ISSO É MUITO MAIS IMPORTANTE QUE QUALQUER NOTA DE DINHEIRO. EU TE PASSEI UMA HERANÇA QUE VEIO DE SUA BISAVÓ E ESTEVE COMIGO ATÉ EU ENGRAVIDAR DE SUA MÃE.

- MAS, VÓ, POR QUE VOCÊ NÃO PASSOU PARA MINHA MÃE OU PARA A MINHA IRMÃ?


- SUA MÃE NÃO ACREDITA EM COISAS MÍSTICAS E ACHARIA ISSO UMA GRANDE BOBEIRA, E SUA IRMÃ É DOMINADA PELA GANÂNCIA E O COLAR IRIA PARAR NUMA LOJA DE PENHOR.

- VÓ, POR QUE EU ESTOU AQUI? POR QUE VOCÊ ME CHAMOU?

- MENINA, JÁ VI QUE VOCÊ ESTÁ CHEIA DE PERGUNTAS E VOU RESPONDER TODAS ELAS UMA POR UMA. VOCÊ ESTÁ AQUI PORQUE LINKRO, O PIOR MAGO DE TODO O REINO, JUNTO DE SEUS CAPANGAS ESTÃO QUERENDO DRENAR TODA A MAGIA DA FLORESTA COLOR, AQUELA QUE VOCÊ CAIU. E EU SÓ CONSIGO DERROTÁ-LO COM OS DOIS COLARES JUNTOS.

- ENTÃO POR QUE VOCÊ NÃO TROUXE OS DOIS COLARES CONSIGO.

- PORQUE OS COLARES SERVEM PARA NÃO NOS ENFRAQUECER, O PODER ESTÁ EM QUEM ACREDITA, ESTÁ NO SANGUE DESSA FAMÍLIA, MAS APENAS PARA CORAÇÕES BONDOSOS COMO O NOSSO. O SEU PODER É MAIOR DO QUE O MEU, POR ISSO PRECISAMOS NOS UNIR.

- VOVÓ, QUAL É MEU PODER? COMO EU O CONTROLO?

- POR VOCÊ SER MINHA NETA, SEU PODER É DO AR E VOCÊ IRÁ APRENDER CONTROLÁ-LO AO LONGO DO TEMPO. MAIS ALGUMA PERGUNTA?

- NÃO. SÓ GOSTARIA DE SABER POR ONDE COMEÇAR.

- NÓS VAMOS SAIR NUMA JORNADA ATÉ O CASTELO DE LINKRO, DEPOIS TEREMOS QUE PENSAR NUM PLANO PARA ENTRAR NO CASTELO.

- ENTÃO VAMOS NOS APRESSAR E COMEÇAR A PREPARAÇÃO - EU FALEI COM ANIMAÇÃO.

ASSIM COMEÇAMOS A PREPARAR A JORNADA E EU, COM MEU PORTE MÉDIO, PUDE CARREGAR MAIS PESO. MINHA AVÓ DIZIA QUE MEU CABELO BRILHAVA AO SOL, EU TINHA CABELOS LISOS E DOURADOS, USAVA UMA TRANÇA FRANCESA E UMA FITA VERDE BEM AMARRADA. VESTIA UMA ROUPA QUE MINHA AVÓ HAVIA ME DADO, ERA UMA SAIA AZUL METÁLICA E UMA CAMISETA PRATEADA, COM CINTO AZUL ESCURO, SEGURAVA UMA ESPADA QUE TINHA A LÂMINA COMO UM ESPELHO E A EMPUNHADURA, QUE CABIA DUAS MÃOS, ERA REVESTIDA DE OURO. A LÂMINA ERA RESISTENTE E DIFÍCIL DE PERDER O CORTE, A GUARDA[1] TINHA PEQUENOS RUBIS QUE A DECORAVAM. EU USAVA UMA BOTA DE CANO MÉDIO COM SALTO BAIXO, A BOTA TINHA UMA COLORAÇÃO CINZA ESCURO QUE AO SOL ACABAVA SENDO QUASE PRETA

NAQUELE REINO UM MÊS REPRESENTAVA APENAS UM DIA NA TERRA.

ASSIM QUE AMANHECEU NÓS COMEÇAMOS A VIAGEM. O NASCER DO SOL NAQUELE REINO ERA QUASE ENCANTADO. NA JORNADA ESTAVAM EU, OS QUATRO GLUMPS E MINHA AVÓ. NÓS SUBIMOS MONTANHAS ÍNGREMES COM PEDRAS GRANDES QUE PARECIAM DESPENCAR A QUALQUER MOMENTO, ESCALAMOS ALTOS PICOS QUE TRAZIAM O PERIGO PRA PERTO, POIS OS LOCAIS DE APOIO PARECIAM SOLTOS. ENQUANTO SUBIMOS O ALIT, QUE ERA O MONTE MAIS ALTO DO REINO, ENTARDECEU E NÓS VIMOS A MARAVILHA DA NOSSA VIAGEM:

- NOSSA! VÓ, NÓS JÁ ANDAMOS BASTANTE.

- SIM, MAS PRECISAMOS ATRAVESSAR A FLORESTA NEGRA E AÍ SIM VAMOS CHEGAR AO CASTELO DO MALVADO LINKRO! - EXCLAMOU MINHA AVÓ CHEIA DE SABEDORIA.

- MAS EU ESTOU CANSADO - CHORAMINGOU UM DOS GLUMPS - VAMOS PARAR E DESCANSAR UM POUCO.

- CONCORDO. - EU DISSE COM UM TOM DE CERTEZA.

- OK, VAMOS DORMIR NAQUELA CAVERNA DO TOPO - APONTOU MINHA AVÓ.

NÓS SUBIMOS O MONTE E FOI ALGO MUITO DIFÍCIL DA NOSSA VIAGEM PORQUE O ALIT TINHA POUCAS PEDRAS DE APOIO. PARA FALAR A VERDADE FOI MARAVILHOSA ESSA SUBIDA, POIS O PÔR DO SOL TAMBÉM ERA ENCANTADOR. TINHA POUCAS NUVENS. A COLORAÇÃO ERA UM AMARELO JUNTO COM ROSA E UM ROXO QUE TRAZIA A NOITE PERTO DE NÓS. O REINO ERA COMPOSTO POR ÁRVORES QUE O DECORAVAM, TINHA RIACHOS QUE ATRAVESSAVAM A FLORESTA COLOR E SERVIAM DE ESTRADAS ATÉ O CASTELO DE MINHA SÁBIA AVÓ. EM ALGUNS PONTOS DA FLORESTA EXISTIAM ALGUNS VILAREJOS COM ALDEÕES QUE CANTAVAM LINDAMENTE ALGUMAS MELODIAS QUE NOS MARAVILHARAM MAIS AINDA. MAS QUANDO OLHEI PARA O LADO VI QUE, SAINDO DA FLORESTA COLOR, FICAVA UMA OUTRA FLORESTA QUE NÃO ERA TÃO FELIZ E NEM TÃO BONITA, PORQUE ERA A FLORESTA NEGRA. ELA TINHA RIACHOS TÓXICOS QUE ACABAVAM NO TÃO FALADO CASTELO DE LINKRO.

QUANDO NÓS CHEGAMOS NO TOPO PREPARAMOS UMA FOGUEIRA NO CANTO DA CAVERNA E NOSSOS SACOS DE DORMIR FICARAM NA ENTRADA. MAS ANTES DE COMEÇAR O NOSSO DESCANSO ACHAMOS MELHOR COMER ALGO, COMO ALGUM FRANGO NA FOGUEIRA, ASSIM LEMBREI DE TER VISTO NO PÉ DA MONTANHA UM BANDO DE GALINHAS. NÓS TIVEMOS QUE BOLAR UM PLANO QUE ERA O SEGUINTE: DESCER UM DOS GLUMPS PELA CORDA ATÉ O PÉ DA MONTANHA (PORQUE PODERIA DEMORAR UM POUCO SE ELE FOSSE ESCALANDO) E ELE PEGARIA UM FRANGO. ASSIM RESOLVEMOS NOSSO JANTAR. DEPOIS DE COMER FOMOS DORMIR, MAS ESTÁVAMOS SEMPRE ALTERNANDO A VIGIA DA CAVERNA.

DEFINITIVAMENTE NÓS NÃO ACORDAMOS CEDO PORQUE NÃO VIMOS O INCRÍVEL NASCER DO SOL, APENAS O CÉU AZUL CLARO COM NUVENS DECORATIVAS JÁ COLOCAVAM MEU ASTRAL PARA CIMA. BEM, NÃO TANTO, PORQUE TERÍAMOS QUE DESCER O OUTRO LADO DA MONTANHA QUE ERA PROVAVELMENTE SEM PONTOS DE APOIO. JÁ SABENDO OS SEGREDOS DE DESCER O ALIT, FOI RÁPIDO, COM TODOS PRESTANDO ATENÇÃO NO CAMINHO.

QUANDO TERMINAMOS DE DESCER NÓS DEMOS DE CARA COM UMA TRILHA, MEIO SINUOSA, CERCADA POR DOIS RIOS. A TRILHA CHEGAVA NUMA BIFURCAÇÃO EM QUE UMA DAS ESTRADAS LEVAVA A UM LAGO CRISTALINO, QUE FAZIA UM CURSO MEIO ESTRANHO. ERA ASSIM: UM RIO SAÍA DESSE LAGO, DAVA A VOLTA NA MONTANHA, ENTRAVA NA FLORESTA COLOR E SE SEPARAVA EM VÁRIOS RIACHOS. O PRINCIPAL CHEGAVA ATÉ O CASTELO DE MINHA AVÓ. O OUTRO RIO, QUE FICAVA DO OUTRO LADO DA TRILHA, TINHA AS ÁGUAS TÓXICAS E VINHA DE UMA PLANTAÇÃO DE CACTOS QUE FICAVAM NUM CAMPO DO OUTRO LADO DA MONTANHA E TERMINAVAM NO CASTELO DE LINKRO.


MINHA VÓ ME CONTOU QUE ELE JÁ HAVIA TENTADO TRAPACEAR OS VILAREJOS DA FLORESTA COM A ÁGUA DESSE RIO, ENTÃO ACHO QUE A PLANTAÇÃO ERA TÓXICA. JÁ O LAGO CRISTALINO DA MINHA AVÓ FICAVA UM POUCO MAIS ATRÁS DO CASTELO DE LINKRO E FAZIA AQUELE CURSO DOIDO. EU SEI QUE PARECE ESTRANHO UM DOS RIOS VIR E O OUTRO IR, MAS EU AVISEI QUE NEM TUDO ALI ERA NORMAL.

- NOSSO DESTINO É ALI, MINHA SENHORA, COMO VOCÊ DISSE - FALOU O GLUMP MAIS BAIXINHO ORGULHOSO DE NOSSA LONGA JORNADA.

-SIM, É SIM, MEU CARO - DISSE MINHA AVÓ COM SUA GENTILEZA NATURAL.

-ENTÃO VAMOS! ESTAMOS PERTO DE SALVAR O REINO - EU FALEI RAPIDAMENTE - ANDEM GLUMPS!


OS GLUMPS ERAM CRIATURAS BAIXINHAS, COM NARIZES PONTUDINHOS E ORELHAS PEQUENAS, ELES TINHAM A MÃO DO TAMANHO DE UMA MÁSCARA CIRÚRGICA. AO CONTRÁRIO DE DOBBY, O ELFO DOMÉSTICO DE HARRY POTTER, TINHAM OLHOS PEQUENOS ASSIM COMO AS ORELHAS. OS GLUMPS FALAVAM BAIXO E COM UMA VOZ REALMENTE IRRITANTE QUANDO FALAVAM DEMAIS. O BOM ERA QUE A MAIORIA DELES ERA QUIETA E TÍMIDA. APESAR DE SUA VOZ E TIMIDEZ, ERAM MUITO GENTIS E TINHAM UM CORAÇÃO MUITO BONDOSO. A COLORAÇÃO DA PELE DELES ERA DE UM AMARELO ESBRANQUIÇADO, COM ALGUMAS MANCHAS AMARELAS ESCURAS NA PERNA, MAS NÃO TÃO ESCURAS.


NOSSA JORNADA CONTINUOU DEPOIS DE ANALISARMOS O CAMINHO. O QUE NOS IMPEDIU DE CHEGAR NO COMEÇO DA TARDE FOI QUE A ÁGUA DE NOSSOS CANTIS ESTAVA ACABANDO, ENTÃO DECIDIMOS USAR O CAMINHO DO LAGO PARA ENCHER AS GARRAFAS.


ENTRANDO NA FLORESTA O SOL JÁ TINHA PASSADO DO SEU PONTO MAIS ALTO, O QUE INDICAVA QUE JÁ PASSAVA DO MEIO DIA. MAS NÃO ERA TÃO CEDO, EU ACHO QUE ERA TRÊS DA TARDE PELA CLARIDADE DO SOL. DORMIR NA FLORESTA PODERIA SER PERIGOSO, ENTÃO CONTINUAMOS, MAS COM MEDO DE CRIATURAS MALIGNAS.


UM POUCO MAIS A FRENTE AVISTAMOS DOIS CAVALOS ALADOS, BRANCOS COMO A NEVE, QUE ESTAVAM NERVOSOS COM NOSSA A PRESENÇA. EU JÁ FUI TIRANDO MINHA ESPADA DO CINTO, MAS MINHA AVÓ, SENDO GENTIL DO JEITO QUE ELA ERA, FEZ UMA REVERÊNCIA AOS "UNICÓRNIOS" E ELES SE ACALMARAM E REVERENCIARAM ELA. MINHA AVÓ OLHOU PARA MIM COM UM OLHAR DE QUE ESTAVA CERTA E PISCOU.


O NOSSO HORÁRIO ATRASOU MAIS AINDA QUANDO PERCEBEMOS QUE OS CAVALOS ERAM PEQUENOS PARA CARREGAR TRÊS PESSOAS DE UMA SÓ VEZ, APESAR DOS GLUMPS SEREM BAIXOS E MAGROS, AINDA ERA DIFÍCIL FAZÊ-LOS CABER EM UM ÚNICO CAVALO.


PERTO DALI TINHAM VÁRIOS ANIMAIS MORTOS POR SEUS PREDADORES E ALGUNS PEDAÇOS DE TAQUARA ESTAVAM NO CHÃO, ENTÃO IMPROVISAMOS ALGUMAS BOLSAS COM ESSES MATERIAIS. PARA SER MAIS ESPECÍFICA ERAM ALFORJES E COLOCAMOS DENTRO DELAS OS GLUMPS. EM CADA CAVALO TINHA UMA DUPLA DE GLUMPS, UM EM CADA ALFORJE.ISSO NOS ATRASOU E O SOL JÁ ESTAVA COM AQUELA COLORAÇÃO AMARELO JUNTO COM ROSA E ROXO ESCURO QUE INDICA O FIM DO DIA.NOSSO ATRASO NÃO NOS ATRAPALHOU MUITO PORQUE PODERÍAMOS ATACAR A NOITE, O QUE SERIA BEM MAIS EFICAZ CONTRA LINKRO.

NÓS SOBREVOAMOS A FLORESTA BEM RÁPIDO, COM O VENTO BATENDO EM NOSSOS ROSTOS, E LOGO MAIS A FRENTE AVISTAMOS O CASTELO DE LINKRO, QUE ERA ESCURO, PARECIDO COM O CASTELO DE ESMERALDAS (CASTELO DO MÁGICO DE OZ), SÓ QUE COM UMA COR BEM MAIS ESCURA, ERA UM AZUL MARINHO EMPOEIRADO, AS JANELAS ERAM CINZA GELO E DE UMA DELAS SAÍA UM BRILHO VERDE RADIANTE. ENTRAMOS PELA JANELA MAIS BAIXA PORQUE NÃO QUERÍAMOS FICAR PERDIDOS NAQUELE CASTELO ENORME.

DOIS DOS GLUMPS FICARAM DE FORA DO CASTELO, POIS ALGUÉM PRECISAVA FICAR VIGIANDO OS "UNICÓRNIOS". ENTRAMOS EU E MINHA AVÓ E OS OUTROS DOIS GLUMPS FICARAM NA PORTA DO SALÃO DE LINKRO, FINGINDO QUE ERAM GUARDAS.

PARA NOSSA SURPRESA LINKRO NOS AGUARDAVA.


- OLÁ, MAGO. - EU DISSE COM BRAVEZA.

-MAGO NÃO! EU SOU LINKRO, O PODEROSO! - DISSE COM ORGULHO DE SI.

-HAHAHA!!! PODEROSO?! - DISSE MINHA AVÓ RINDO MUITO - HOJE MESMO SEUS DIAS DE GLÓRIA ACABAM!

-MAS COMO, VÓ? - EU SUSSURREI PARA ELA.

-LUTANDO UÉ! - ELA RIU NOVAMENTE.

LOGO EU TIREI A ESPADA DE MEU CINTO E ME PREPAREI, MAS O "PODEROSO" TINHA SUAS HABILIDADES QUE ERAM FORTES. COMEÇAMOS A BATALHA E, ENQUANTO EU LUTAVA COM A MINHA ESPADA, MINHA AVÓ O DISTRAIA COM SEUS PODERES. EU JÁ TINHA ACERTADO E FERIDO ELE VÁRIAS VEZES, MAS COMO EU DISSE AS HABILIDADES ERAM FORTES. EU JÁ ESTAVA LUTANDO NO MODO "AUTOMÁTICO" ATÉ QUE LINKRO SE CANSOU DE PRESTAR ATENÇÃO EM MIM E FOI ATÉ MINHA AVÓ. ELE DEU UM GOLPE QUE A LEVOU ATÉ UMA PAREDE NA LATERAL DO SALÃO, AO LADO DE UM PILAR GIGANTE. EU CORRI ATÉ ELA DESESPERADAMENTE PORQUE ESTAVA MUITO PREOCUPADA. ELA TINHA UMA MANCHA DE SANGUE EM SUA BLUSA E EU LEVANTEI NAQUELE PONTO E, FIQUEM TRANQUILOS, ERA SÓ UM ARRANHÃO DO PISO ÁSPERO.


A SALA ERA COMPOSTA POR TONS DE CINZA CHUMBO E PRETO, OS PILARES ERAM VERDE MUSGO, O CHÃO TINHA AS CORES DA ESCURIDÃO E ERA ÁSPERO COMO NO ALIT. JÁ O TETO TINHA ALGUNS CACOS DE VIDRO DE ALGUMAS GARRAFAS DE VINHO, FORMANDO UM MOSAICO.


MINHA AVÓ ESTAVA COM OS OLHOS UM POUCO ABERTOS E DIZIA BAIXO: "PEGUE O COLAR, PEGUE". LINKRO RIU SARCASTICAMENTE E DISSE:

-VOCÊS NÃO TEM CHANCE. A HORA QUE QUISEREM É SÓ DESISTIR.

-NUNCA! JAMAIS! - EU GRITEI COM ELE.

ENTÃO COMECEI A CHORAR, POIS QUERIA DESISTIR, MAS EU IA ACABAR DECEPCIONANDO NÃO SÓ A MINHA AVÓ, MAS A MIM TAMBÉM. LEMBREI DE TUDO O QUE ELA DISSE E ISSO FOI ÚTIL PORQUE RECORDEI DE “VOCÊ IRÁ APRENDER CONTROLÁ-LO AO LONGO DO TEMPO”. USEI AS SÁBIAS PALAVRAS DE MINHA AVÓ E JUNTEI OS COLARES, FAZENDO ASSIM COM QUE A SÁBIA VÓ NENA SE SENTASSE E ABRISSE OS OLHOS. DE TODOS OS VITRAIS VINHA UMA LUZ BRANCA E CLARA QUE SE DIRECIONARAM AO MEU COLAR E REFLETIRAM EM LINKRO, QUE GRITAVA DE RAIVA DIZENDO QUE IRIA TER REVANCHE.


DEPOIS DISSO O "MAGO PODEROSO" VIROU PÓ E SE MISTUROU COM AS PEDRAS DO CASTELO QUE HAVIA DESMORONADO.

NO FINAL DE TUDO O SOL JÁ ILUMINAVA TODO O CÉU. AGORA O CASTELO NÃO PASSAVA DE UM MONUMENTO DEVASTADO POR UMA LUTA HISTÓRICA OU, SENDO MAIS GERAL, UM PRÉDIO ABANDONADO E DEMOLIDO.

RAPIDAMENTE ABRACEI FORTE A MINHA AVÓ COMEMORANDO UMA VITÓRIA INESQUECÍVEL E LOGO ELA ME AVISOU QUE TUDO AQUILO QUE ACONTECEU DEVERIA FICAR EM SEGREDO.

QUANDO ESTÁVAMOS DE SAÍDA UMA LUZ AZUL RADIANTE JÁ CONHECIDA, VINDO DE UMAS DAS PAREDES QUE AINDA ESTAVA INTACTA BRILHOU. ASSIM FOI A MINHA DESPEDIDA COM ELA. EU ATÉ PERGUNTEI A ELA SE VINHA COMIGO, MAS NENA RECUSOU DIZENDO QUE AGORA E SEMPRE TERIA DE FICAR LÁ POR CAUSA DE SEU REINO. ENTÃO ME ENTREGUEI PARA AQUELE VÁCUO COLORIDO E VOLTEI PARA MINHA DIMENSÃO.

QUANDO CHEGUEI MEU DESPERTADOR ESTAVA TOCANDO, E COMO ELE TAMBÉM MARCAVA DIA, VI QUE ERA QUARTA-FEIRA. ENTÃO, RAPIDAMENTE, ME VESTI PARA MAIS UMA MANHÃ NORMAL.


AH! ANTES QUE EU ME ESQUEÇA, VOU PERGUNTAR: O QUE VOCÊ ACHA QUE É NORMAL?!

Texto por Nicole Bacci, 4ºEFI.

[1] A guarda (ou guarda–mão) é usada tanto para evitar que sua própria mão deslize para a lâmina quando se faz uma estocada quanto para deter golpes contra as suas mãos.

logo.png

Contatos

Telefone: (11) 3733-6677

e-mail: secretaria@giordanobruno.com.br

currículos: curriculo@giordanobruno.com.br