Projeto Pedagógico

Nosso colégio, em atividade desde 1994, preza pelo equilíbrio entre tradição e inovação, uma vez que compreendemos o mundo com consistência de vanguarda. Por isso, procuramos sempre conjugar as novidades oriundas das pesquisas nas áreas da educação e da ciência aos desafios que o mundo contemporâneo suscita.

 

Nossa proposta pedagógica organiza-se a partir de quatro pilares: a autonomia, a autoria, a concepção do sujeito complexo e a contemporaneidade, os quais olham o aluno por um prisma que o considera em sua integridade e em seu tempo.

 

O nosso modelo pedagógico prepara o aluno para a vida, tornando-o um cidadão crítico, atuante, consciente e capaz de enfrentar os desafios pessoais e do mundo do trabalho. Visando a uma formação integral, cultivamos a inteligência e o compromisso com as diversidades culturais, linguísticas e étnicas, pautando nossa prática em valores éticos e solidários.     

 

Em suma, no Giordano, vislumbramos a educação como instância transformadora e entendemos que o conhecimento não é um produto acabado, configurando-se como construção processual, dialógica e crítica, que requer maturação e aprofundamento.

 

O universo do Giordano é sustentado pelos pilares:

Autonomia

A autonomia orienta nossa prática, contudo ela requer uma construção paulatina e progressiva que envolve as questões cotidianas e a emancipação do pensamento crítico. Podemos assumir que a autonomia só existe a partir da heteronomia, porém esse vínculo de dependência pode ser quebrado vagarosamente para que o estudante assuma o protagonismo de seu aprendizado. Assim, o aluno não só aprende com o professor, mas também reúne condições para pensar e elaborar de forma autônoma o seu conhecimento. 


No Giordano, o termo autonomia não exclui as possibilidades do rigor e do compromisso com o outro. A busca da autonomia implica uma dinâmica de ensino-aprendizagem que valoriza as iniciativas e as diferenças, mas sempre tendo como referência os valores e padrões que o conhecimento humano vem acumulando. Rupturas são sempre possíveis, no entanto, não podem ser confundidas com onipotência e irresponsabilidade.

Autoria

A autoria é basilar em nosso cotidiano. Como sujeitos críticos, nossos alunos são produtores diários de seu processo de aprendizagem e a construção dessa voz autoral é de fundamental importância para uma educação que respeita a pluralidade de ideias.


Aqui, a prática pedagógica permite aos alunos a compreensão da trajetória que deve ser percorrida para o desenvolvimento da autoria nos diversos campos de conhecimento. Nos currículos de cada disciplina o aluno entra em contato com a especificidade do processo de circulação do conhecimento da área, seus gêneros discursivos, suas exigências e, sobretudo, seus principais autores.

Por meio do dissenso entre os próprios teóricos e linhas de pesquisa, o aluno pode dialogicamente formar o seu lugar de enunciação. Desvelar a função de autoria e fornecer meios para que o aluno se exercite como autor é uma meta de todas as disciplinas do Giordano.

Sujeito Complexo

Olhar para o aluno como sujeito complexo é considerar seus aspectos cognitivos, emocionais, biofísicos e políticos. Essa visão permite o respeito às tensões vividas por cada um e, ao mesmo tempo, possibilita que se construa um espaço de alteridade regulado pela ética do convívio.

 

Cognitivamente, os saberes prévios e a memória devem ser valorizados e associados às descobertas e experimentações dadas na ação e na interação. Agir sobre objetos, experimentá-los, compartilhar ideias são dinâmicas que contribuem para engajar a curiosidade e o desejo de aprender.

 

Emocionalmente, o aluno deve ser compreendido em sua relação com a alteridade, lembrando que a manifestação da singularidade sempre se dá em um espaço tensivo. Compreender que o engajamento com os processos de aprendizado mesclam-se à vacilação e à negação é importante para despertar novos aspectos do desejo que vinculem o aluno à aprendizagem de maneira produtiva.

Já no aspecto biofísico, a integração entre corpo e psiquismo deve ser objeto de reflexão e um eixo de interpretação constante, uma vez que o corpo integra-se a todas as nossas práticas e é também recoberto de valores afetivos, culturais e ideológicos.

 

Como sujeito político, o aluno encontra no GB um ambiente estimulante para a sua expressão política em todos os componentes curriculares. Os debates, mediados pelo conhecimento do professor, possibilitam uma melhor compreensão de temas e questões emergentes do meio político e social de nosso tempo. A cidadania, o bem-estar coletivo, a ética e a transparência na política são temas sempre presentes em nosso cotidiano escolar.

Contemporaneidade

No Giordano, procuramos não perder de vista os novos referenciais de pesquisa e as discussões requeridas pelo contexto. As polêmicas e tensões da vida social fazem parte do cotidiano escolar, bem como as novas tecnologias e modos de conhecer que podem contribuir para uma leitura crítica da realidade.

Em contrapartida, revalorizamos, a partir dos debates do contemporâneo, o conhecimento tradicional, tomando o mundo contemporâneo — o tempo do aluno — como ponto de partida e de chegada. É possível mostrar que o conhecimento clássico da literatura, da filosofia, das artes e das ciências está presente no mundo contemporâneo e, muitas vezes, a retomada de princípios e conhecimentos filosóficos e científicos do passado pode gestar novas concepções.

Material didático

Acreditamos na autoria de um fazer pedagógico que está em constante elaboração. Assim, parte de nosso material é idealizado pelos professores e produzido pelo setor gráfico da escola. A outra parcela do material é cuidadosamente escolhida com base nas indicações do MEC.

Avaliação

No Giordano Bruno, a avaliação é contínua e procura indicativos, não apenas do aproveitamento do aluno, senão ainda da eficácia das metodologias e dos materiais utilizados em sala de aula. Acreditamos que a construção do conhecimento se dá de maneira processual e que diversas ferramentas pedagógicas além da avaliação formal devem ser pensadas para percebermos o desenvolvimento de cada aluno. Por isso, trabalhamos com instrumentos diversificados e com devolutivas sistemáticas e constantes ao longo de todo o processo de ensino-aprendizagem. Do 1º ao 4º ano, a avaliação é traduzida processualmente em cinco conceitos: Plenamente Satisfatório, Satisfatório, Medianamente Satisfatório, Não Satisfatório e Insuficiente. Do 5º ano EF ao 3º EM, a avaliação é traduzida por notas de 0 a 10, com média 6,0 para aprovação.

A leitura

 
 
 
 

Acreditamos na leitura como um dos elementos fundamentais na formação de sujeitos emancipados e na construção do repertório cultural. As leituras no Giordano são selecionadas com muito rigor, procurando contemplar grandes autores e textos fundamentais de diversos países, a fim de proporcionar um contato plural com o universo literário. Além disso, aqui, a leitura é responsabilidade de todas as áreas do conhecimento, pois analisar as construções discursivas de diversas áreas do saber contribui significativamente para a formação de um leitor crítico. Sabemos que a leitura é mais que uma ferramenta intelectual. A literatura constitui uma forma de engajamento e denúncia das mazelas sociais, uma vivência estética profunda e, sobretudo, um caminho para a humanização.

Alfabetização

No Giordano Bruno, a alfabetização é compreendida como um processo que se inicia muito antes do ingresso no ensino fundamental, quando as crianças já lidam com a língua e suas possibilidades composicionais na oralidade. Assim, o trabalho de entrada da criança na escrita conta com um complexo de atividades que concentra jogos orais, experimentações de escrita e o contato sistemático com materiais de leitura nos mais diversos gêneros e suportes.

No Giordano, o processo de alfabetização é acompanhado de perto pela coordenação pedagógica, que intervém com trabalhos personalizados, no caso de eventuais dificuldades no inicio do percurso. Além disso, o Colégio conta com a supervisão especializada na área de ensino e alfabetização.

Vestibular e ENEM

O Vestibular no Giordano é visto como a consequência de um processo de proximidade com o conhecimento. Ao longo de todo o Ensino Médio, os professores do Colégio Giordano Bruno realizam com os alunos estudos das questões dos vestibulares de grandes universidades bem como das últimas provas do Enem. O Provão, realizado a cada trimestre, também prepara os estudantes para as especificidades das questões objetivas. No terceiro ano, os alunos participam dos simulados oficiais preparados pelo Colégio, que procuram reproduzir a situação de vestibular que será em breve vivenciada.

Alguns diferenciais de nossa prática

  • Teatro com projeto que valoriza os jogos da infância

  • Educação musical

  • Capoeira enfatizando aspectos da diversidade cultural do país

  • Culinária como estratégia de ensino em diversas áreas do conhecimento

  • Eventos culturais: Feira de Ciências, Feira do Livro, Festival Musical.

  • Tribuna Livre com amplos debates entre alunos, professores, pais, coordenações e direção.

  • Feira de Ciências, Artes e Cultura em que os alunos têm a oportunidade de expor à comunidade os resultados dos projetos desenvolvidos ao longo do ano letivo

  • Reforço escolar procurando atender às demandas específicas de cada aluno, ao longo do período de alfabetização

  • Participação em eventos externos: Olimpíada de Matemática, Concurso Jovem Cientista

  • Feira de Ciências cuidadosamente ancorada em uma perceptiva de valorização da autoria e autonomia dos alunos

Vivência Política

Conforme promete em sua proposta, o Colégio Giordano Bruno, fiel à sua origem, estimula a participação política e cidadã de seus alunos. Esta participação ocorre em situações diversas, como nas Tribunas Livres, nos Estudos do Meio específicos e através do Manual de Convivência.

Ciclo de debates

 

Em breve.

Manual de Convivência

As normas do Giordano funcionam como uma constituição interna. Houve uma assembleia constituinte em 1998 que lançou a primeira versão. De lá para cá o documento vem mudando a partir de sugestões de alunos e professores, aprovadas em Tribunas  Livres.

 

A lei prevista no manual se estende a toda comunidade. Fica claro para o aluno que a regra, a lei não é apenas para ele. O manual é uma resposta contra o permissivismo, o egocentrismo e a onipotência. Constitui uma dimensão importante da esfera escolar pois estimula a vida coletiva, estabelecendo regras e punições adequadas a cada infração deliberadas pela comunidade.

Contatos

Telefone: (11) 3733-6677

e-mail: secretaria@giordanobruno.com.br